Por que o alcoolismo é pecado?

Clique no Botão do Whatsapp e compartilhe com 5 Pessoas

Tudo que atenta contra a vida humana está contra a vontade de Deus. Jesus disse que veio “para que tenhamos vida e a tenhamos em abundância.” (Jo 10,10). Nosso corpo é templo da Santíssima Trindade.

São Paulo disse: “Não sabeis que sois templo de Deus e que o Espírito Santo habita em vós. Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá. Porque o templo de Deus é sagrado – e isto sois vós” (1 Cor 3,16-17).

Há muitas maneiras de destruir o corpo e a vida, como consequência, as drogas, a violência, os esportes perigosos e absurdos, e as drogas, como a maconha, cocaína, crack, LSD, alcoolismo…

Tudo isso é pecado porque ofende o Autor da vida, que no-la deu como um grande dom e presente para ser vivida para os outros. A vida não é nossa, é de Deus; não sabíamos o dia do nascimento e não sabemos o dia da morte. Ela está em nós, mas não nos pertence. Somos administrador dela e teremos de prestar contas ao Criador.

Leia também:
Sete pecados que “saíram de moda” e podem te levar para o inferno
Um pecado mortal, sete anos de Purgatório

O alcoolismo destrói a pessoa radicalmente. Seu cérebro vai sendo “cozido” pelo álcool e todo o organismo vai morrendo, especialmente o fígado. Dá pena ver quantos homens e mulheres jovens dominados pelo álcool! Além disso, a família sofre as terríveis consequências de um pai ou de uma mãe embriagados; o casamento perece, os filhos sofrem… “O salário do pecado é a morte” (Rom 6,13).

As razões pelas quais a pessoa mergulha no álcool, compulsivamente, são muitos. A música “O Ébrio”, de Vicente Celestino, retrata bem isso. Em muitos se torna uma doença, e isto diminui de certa forma a culpa. Mas todo cristão tem de lutar contra a bebida.

Não se deixar buscar nela uma fuga para os problemas da vida. É uma atitude de fraqueza e covardia. São Paulo diz: “não vos embriagueis com vinho, que é uma fonte de devassidão, mas enchei-vos do Espírito.” (Ef 5, 18). O Apóstolo não está proibindo beber vinho moderadamente, mas se embriagar. Ele recomendava a Timóteo “tomar também um pouco

de vinho, por causa do teu estômago e das tuas frequentes indisposições.” (I Tm 5, 23).

O cristão pauta a sua vida pela “vigilância e oração” e coloca todas as suas preocupações nos braços do Pai e confia nele, sem buscar nas fugas a solução errada para seus males. É na oração, na Palavra de Deus, na Eucaristia e na Confissão, no santo Terço, que vamos buscar forças para vencer nossas mazelas, mas jamais no álcool.

Aqueles que porventura se entregaram ao vicio, devem lutar com as armas da fé, citadas acima, e as armas da terapia: acompanhamento médico, podendo participar dos Alcoólicos Anônimos, buscar uma boa Casa de Recuperação, como as de Bethânia, fundadas por Pe. Léo, etc.

Via Catholicus
Clique no Botão do Whatsapp e compartilhe com 5 Pessoas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.